JAPURÁ – AM – Paróquia Nossa Senhora Aparecida

Prelazia de Tefé – AM – Norte I CNBB

Jesus nos acompanha nas curvas das estradas da vida

Deixe um comentário

Irmãos e Irmãs!

Segue o repasse das reflexões litúrgicas para o 3º Dom da Páscoa com a
significativa introdução de Pe. Itacir!
Estejamos especialmente unidos/as em oração nas intenções da Assembleia
dos Bispos em Aparecida.
Com estima fraterna,
Ir. M. Liani Postai

"PREZADAS AMIGAS E AMIGOS!
TEMPO PASCAL É TAMBÉM TEMPO DE RECONHECER NOSSO NAO SABER, DE PERCEBER QUE
PRECISAMOS CRER PROFUNDAMENTE PARA VER MAIS CLARAMENTE.
QUANDO NOS CONSIDERAMOS MESTRES, ACABAMOS DESCOBRINDO QUE POUCO SABEMOS.
POR ISSO, PRECISAMOS DEIXARMO-NOS CONDUZIR POR JESUS, CRUCIFICADO E
RESSUSCITADO.
ELE É O CAMINHO, NELE ESTA A VERDADE QUE GERA VIDA.
ITACIR MSF"

Jesus nos acompanha nas curvas das estradas da vida

O significado do acontecimento pascal não se entrega à nossa compreensão em um só golpe. A realidade viva e esperançosa que ele comunica necessita de um longo tempo para germinar, crescer, florescer e frutificar na vida cristã. Com sabedoria a tradição cristã prolonga o evento pascal nas sete semanas que se seguem à páscoa. Este período, denominado tempo pascal, é um desafio e um convite a descobrir e acolher o dinamismo da ressurreição em suas múltiplas facetas, uma novidade escondida nas tramas da vida e na luminosidade translúcida das liturgias.

Os evangelhos fazem questão de não esconder as dificuldades e a incrível lentidão com que os discípulos e discípulas vão se abrindo à ressurreição de Jesus Cristo. O episódio dos discípulos que deixam Jerusalém e voltam desolados à aldeia de Emaús é paradigmática. Lucas diz que eles estavam como se fossem cegos. Eles não conseguiam tirar da memória a imagem da prisão, do julgamento, da tortura e da morte de Jesus na cruz. Para eles, o fracasso fora completo e arrasador, e não havia como conciliar a esperança de um messias com um criminoso pregado na cruz.

O evangelista faz notar que “o próprio Jesus se aproxima e começa a conversar com eles”. E começa perguntando sobre o conteúdo da conversa e o motivo da tristeza deles. Não chega impondo o tema ou desviando do assunto. Com a sabedoria de mestre, conduz os discípulos ao mais fundo da própria frustração, ao coração da própria dor, ao núcleo central dos acontecimentos. E o faz caminhando com eles, num caminho de volta ao passado desprovido de esperanças. Sem este primeiro momento, o anúncio e o testemunho da ressurreição poderia cair no vazio ou resvalar para o cinismo.

Caminhando e dialogando com os discípulos, Jesus quer provocar neles a abertura a uma uma imagem de Deus despida das marcas do poder e do saber. Obcecados por certa imagem de Deus e machucados pelo desengano de suas esperanças, eles não conseguem compreender nada. Mas a perseverança de Jesus acaba abrindo algumas pequenas brechas naquela terra seca. Eles se dão conta de que já é tarde e a noite se aproxima. Percebem claramente que um caminho sem esperanças não leva a lugar nenhum. Sentem necessidade de um companheiro com quem possam dividir o pão da dor…

A sede de companhia, junto com o desejo de repartir, faz toda a diferença. Acolhendo o anônimo companheiro de caminhada e partilhando com ele a vida e o pão, os discípulos passam da cegueira à visão, da frustração à alegria, da escuridão à luz. A hospitalidade e a partilha dão a eles a possibilidade de fazer uma releitura do percurso feito, compreender melhor o que sentem e descobrir o significado profundo dos acontecimentos que vivem. Só então eles dão atenção àquilo que sentiam quando escutavam a Palavra. “Não estava o nosso coração ardendo quando ele nos falava pelo caminho?”

Pedro nos mostra que os apóstolos também aprenderam esta lição. Com uma coragem inexplicável, ele se levanta e, dirigindo-se aos habitantes de Jerusalém e aos peregrinos, os convida a compreender o sentido do que estava acontecendo naquela manhã em que o fogo do Espírito abria portas e caminhos, concedia sabedoria e inteligência, chamava e enviava. Aquele Jesus de Nazaré que fora humilhado até o extremo havia sido exaltado ao máximo. “Não era possível que a morte o dominasse… Deus o ressuscitou dos mortos e lhe deu a glória…” E nos acompanha neste tempo em que somos migrantes…

A fé cristã se fundamenta no testemunho, na experiência pessoal ou dos outros. Cremos porque há uma corrente de homens e mulheres que deram prosseguimento ao caminho e ao projeto vivido por Jesus Cristo. Nesta “nuvem de testemunhas” Cristo se mostra vivo e ressuscitado, e os sacramentos nos conduzem a esta realidade. Se esta corrente de testemunhas não continuar, os frutos da ressurreição não chegam à mesa de ninguém. Por isso, cada geração de cristãos precisa recriar o testemunho do Ressuscitado, discernindo as exigências e oportunidades próprias do seu tempo.

Deus da vida: nossos pais e antepassados na fé nos ensinaram a te chamar de pai, mas mostras que tens um coração de mãe. Tu nos acompanhas nas curvas sombrias dos nossos fracassos individuais e sociais, nos confortas no aconchego do teu colo, seguras nossa mão e guias nossos passos incertos, abres nossos olhos para encarar a realidade, encorajas à fidelidade criativa e responsável. Vem em nosso auxílio na aventura de transformaar a fé na ressurreição do teu filho em projeto de uma vida doada sem reservas e sem condições. Assim seja neste tempo de nossa migração neste mundo! Amém!

Pe. Itacir Brassiani msf

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s