JAPURÁ – AM – Paróquia Nossa Senhora Aparecida

Prelazia de Tefé – AM – Norte I CNBB

O que significa a expressão “quaresma”?

Deixe um comentário

QUARESMA, JEJUM E PENITÊNCIA!

O que significa a expressão “quaresma”?

Denominamos de “quaresma” os quarenta dias que antecedem o Tríduo Pascal, memória litúrgica da Paixão, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo, mistério central da Fé Católica Apostólica Romana.

Qual o significado do número quarenta?

“O Primeiro Concílio Ecumênico de Nicéia já fala de uma quaresma como se fosse uma instituição conhecida desde tempos antigos. Os padres justificavam a duração de quarenta dias com os quarenta anos da peregrinação de Israel pelo deserto até a terra prometida e com os quarenta dias que Moisés jejuou no Monte Sinai e o profeta Elias em sua jornada até o Monte Horeb, mas também com os quarenta dias de jejum observados por Jesus no início de sua atividade pública”(Berger, Rupert. Dicionário de Liturgia Pastoral, Loyola).

O que diz o Concílio Vaticano II sobre a quaresma?

A Constituição Sacrosanctum Concilium, afirma: “Tanto na liturgia quanto na catequese litúrgica esclareça-se melhor a dupla índole do tempo quaresmal, que, principalmente pela lembrança ou preparação do batismo e pela penitência, fazendo os fiéis ouvirem com mais frequência a palavra de Deus e entregarem-se à oração, os dispõe à celebração do mistério pascal (…) Seja inculcada na alma dos fiéis, juntamente com as consequências sociais do pecado, a natureza própria da penitência que detesta o pecado como ofensa feita a Deus. Na ação penitencial não se omitam as partes da Igreja nem se deixe de urgir a oração pelos pecadores” (SC 109).

Qual o sentido da penitência quaresmal?

“A penitência do tempo quaresmal não seja somente interna e individual, mas também externa e social. A praxe da penitência, porém, seja fomentada segundo as possibilidades do nosso tempo e das diversas regiões, como também segundo as condições dos fiéis” (SC 110).

Quem deve fazer penitência e jejum?

“Todos os fiéis, cada qual a seu modo, estão obrigados por lei divina a fazer penitência (…)”, afirma a orientação da Igreja ( Código de Direito Canônico, Cân 1249). A abstinência começa aos 14 anos de idade e vai até o fim da vida. O jejum obriga a partir dos 18 anos completos e vai até os 59 anos completos.

Quando se deve fazer penitência?

O Código de Direito Canônico afirma: “Os dias e tempos penitenciais, em toda a Igreja, são todas as sextas feiras do ano e o tempo da quaresma”(Cân. 1250).

Diz o Catecismo da Igreja: “Os tempos e os dias de penitência ao longo do ano litúrgico ( o tempo da quaresma, cada sexta-feira da quaresma em memória da morte do Senhor ) são momentos fortes da prática penitencial da Igreja. Esses tempos são particularmente apropriados aos exercícios espirituais, às liturgias penitenciais, às peregrinações em sinal de penitência, às privações voluntárias como o jejum e a esmola, à partilha fraterna ( obras de caridade e missionárias )”( CIC 1438).

E o jejum quaresmal?

Os católicos são chamados ao jejum na quarta feira de cinzas e na sexta feira santa. “Seja o jejum pascal, a se observar na Sexta Feira da Paixão e Morte do Senhor e, se for oportuno, a se estender também ao Sábado Santo, a fim de que se chegue com o coração livre e aberto às alegrias do Domingo da Ressurreição” (SC 110).

E a abstinência de carne?

“Observe-se a abstinência de carne ou de outro alimeto, (…), em todas as sextas feiras do ano (…) observe-se a abstinência e o jejum na quarta feira de cinzas e na sexta feira da Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo”(Cân. 1251). A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil determinou que “nas sextas feiras do ano, inclusive da Quaresma, exceto a sexta feira santa, fica a abstinência comutada em outras formas de penitência, principalmente em obras de caridade e exercícios de piedade” (comentário ao Cân. 1253).

Em que consiste o jejum?

O Código de Direito Canônico não determina mais em que consista o jejum. De acordo com a tradição jurídica anterior, trata-se de não tomar mais que uma refeição completa, permitindo-se, porém, algum alimento outras duas vezes por dia. Pode-se seguir esta norma, enquanto a Conferência Episcopal não determinar algo diferente.

+ Tomé Ferreira da Silva
Bispo Diocesano de São José do Rio Preto/SP

Postado por Dom Tomé Ferreira

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s