JAPURÁ – AM – Paróquia Nossa Senhora Aparecida

Prelazia de Tefé – AM – Norte I CNBB

Igreja na Amazônia: desafios pastorais em debate

Deixe um comentário

 

Dom Leonardo Steiner, durante entrevista coletiva
do Encontro da Igreja Católica na Amazônia Legal.
“Os diversos rostos da Igreja no Brasil devem ser preservados e temos de dar uma atenção especial para a Amazônia”, foi a afirmação do secretário geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, em entrevista durante o 1º Encontro da Igreja Católica na Amazônia Legal. O evento, que teve início no dia 28 de outubro, debate, até a próxima quinta-feira a ação evangelizadora da Igreja nos nove estados da região.

Na terça-feira, a partir das propostas do Documento de Santarém, aprovado no ano passado, os participantes discutiram os desafios pastorais para a ação da Igreja na região. “Com base neste Documento, o Espírito foi iluminando e interpelando nossas igrejas. Incomodando-nos para que reavivássemos o ardor missionário. Uma presença profética na Amazônia”, explicou o presidente do Regional Norte 1, dom Roque Paloschi. “Renovamos as ideias da necessidade de uma igreja encarnada à realidade e de uma evangelização libertadora”, explicou.
Desafios 
Bispos e fiéis de cinco regionais da CNBB
participam do evento, em Manaus (AM)
Um dos painéis apresentados no evento tratou dos grandes projetos do governo federal para a Amazônia. Houve várias críticas quanto à falta de consulta popular para a construção das hidrelétricas. Pedro Gontijo, da Comissão Brasileira de Justiça e Paz da CNBB, explicou a dificuldade criada pela forma como os projetos são financiados, sendo que a liberação dos recursos não está condicionada aos estudos de impacto ambiental.
“Nós devemos ser consultados e queremos ser respeitados em nossa decisão. Temos que levantar a cabeça porque conquistamos muita coisa”, afirmou o leigo e missionário espanhol Luís Ventura, que reside em Roraima. Para ele, a população brasileira vive um momento de intensificação de um modelo econômico. “Esse modelo não é novo na Amazônia, principalmente no extrativismo que está embasado em uma super exploração de recursos naturais, para exportar para outros países”, afirma.
O representante do Conselho Indigenista Missionário, Francisco Loebens, fez uma denúncia durante o segundo painel do evento. “Nunca os indígenas foram tão desrespeitados quanto hoje”. Apesar dos vários problemas envolvendo a questão, ele destacou os avanços na garantia de direitos das populações tradicionais a partir das primeiras discussões da Igreja.
Outro desafio foi apresentado pela irmã Henriqueta Cavalcante, da Comissão de Justiça e Paz do Regional Note 2 da CNBB. “O tráfico humano representa a escravidão da nossa época, a mercantilização da vida”. De acordo com a religiosa, o que sustenta essa escravidão moderna é a miséria, a ganância e a impunidade. É por causa da falta de justiça que este crime clandestino ocorre constantemente.
Com informações do blog: www.igrejacatolicanaamazonialegal.com
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s