JAPURÁ – AM – Paróquia Nossa Senhora Aparecida

Prelazia de Tefé – AM – Norte I CNBB

O testemunho de amor e serviço desperta vocações.

Deixe um comentário

(At 13,14.43-52; Sl 99/100; Ap 7,9.14-17; Jo 10,27-30)

O quarto domingo do tempo pascal nos apresenta Jesus como Cordeiro-Pastor que revela e anuncia o Pai mais através do testemunho e das ações que de palavras. Na mensagem que preparou para a Jornada Mundial de Oração pelas Vocações, celebrada há 50 anos no 4° domingo da páscoa, o nosso papa emérito Bento XVI diz que as vocações “nascem da experiência do encontro pessoal com cristo, di diálogo sincero e familiar com ele, para entrar na sua vontade”. O aprofundamento dessa relação com ele, na qual a pessoa se torna capaz de acolher o chamado de Deus, “ é possível no âmbito de comunidades cristãs que vivem uma intensa atmosfera de fé, um generoso testemunho de adesão ao Evangelho, uma paixão missionária que induz a pessoa à doação total de si mesma pelo Reino de Deus…” Assim, as vocações são sinais da esperança que se fundamenta na fé (tema da jornada).

“Eu as conheço e elas me seguem…”

A fé em Deus se mostra mais pelas ações que pelos ritos, orações e palavras.  É isso que Jesus afirma na discussão com as autoridades religiosas em plena festa da dedicação do Templo, em Jerusalém. Os chefes do Templo procuram Jesus questionando-o: “Até quando nos deixarás em suspenso? Se tu és o Messias, o Cristo, dize-nos abertamente!” E Jesus retruca: “Eu já vos disse, mas vós não acreditais. As obras que eu faço em nome do meu Pai dão testemunho de mim” (Jo 10, 24-25).

Jesus apresenta suas credenciais de Messias, de missionário do Pai: as ações que realiza em favor da humanidade, especialmente em favor dos últimos da escala social. Neste debate com as autoridades do judaísmo Jesus nega a legitimidade de uma fé que não tenha apoio no próprio modo de agir. Quem está sem reservas ao lado do ser humano está com Deus. E quem está de alguma maneira contra o ser humano, mesmo que invoque o nome de Deus e participe de ritos religiosos, está contra ele.

“Somos seu povo e rebanho do seu pasto”, diz o salmista. Mas ser do rebanho de Jesus Cristo implica em escutar sua Palavra e seguir seus passos, assumir sua pró-existência. Crer nas obras que defendem e resgatam a dignidade humana é mais importante que crer na sua Palavra (cf. Jo 10,38). Crer em Jesus significa segui-lo, dar continuidade à sua obra. “Eu as conheço e elas me seguem.” Seguir Jesus implica em entregar-se sem reservas à luta pelo bem da humanidade, especialmente das pessoas humilhadas.

“Eu lhes dou a vida eterna.”

O denominador comum das múltiplas ações que expressam nossa fé é o amor. A autenticidade e a frutuosidade da nossa fé em Jesus não reside na multiplicação de atividades desconexas e sem alma. Mais que um sentimento, o amor é o dinamismo básico e permanente que nos move no reconhecimento do outro como outro, na defesa da sua dignidade inviolável e na priorização das suas necessidades humanas fundamentais, inclusive em detrimento das nossas.

O amor faz da nossa vida uma pró-existência, uma vida empenhada em favor dos outros. O amor é que nos faz humanos, nos dá à luz como pessoas. A descoberta e a construção da nossa identidade não se dá primariamente através da reflexão, do movimento de dobrar-se sobre si mesmo e escutar a voz interior, mas da tomada de posição diante de uma voz externa que chama: “Aqui estou! Envia-me!” (Is 6,8). Uma vida assim vivida não pode ser tragada pela morte ou diminuída pelas ameaças: é re-suscitada sempre de novo, têm força de eternidade.

“Gente de todas as nações, tribos, povos e línguas…”

O amor autenticamente humano e cristão não reconhece nenhum tipo de fronteira. Enquanto pró-existência e afirmação da dignidade do outro enquanto outro, o amor rompe com os muros levantados em nome da religião, da raça, da classe, do sangue, dos interesses econômicos. O amor é o único dinamismo capaz de globalizar verdadeiramente o mundo, sem excluir ninguém, pois começa pelo diferente, pelo outro, pela exterioridade em relação a todos os sistemas e instituições.

Neste sentido é interessante o testemunho dos Atos dos Apóstolos, que mostra como Paulo e Barnabé conseguem abrir as fronteiras rígidas do judaísmo e estabelecem relações com os povos não-judeus. Partindo dos conflitos provocados pelo anúncio de Jesus Cristo dentro do judaísmo eles se voltam aos grupos considerados pagãos. Experimentando acolhida e respeito, os cristãos de origem não-judaica vivem uma grande alegria. E nem mesmo a perseguição consegue levar Paulo e Barnabé de volta à estreiteza dos laços étnicos e religiosos.

Mas aqui precisamos de novo lembrar que o amor não se resume a um princípio formal ou um sentimento interior. Sem deixar de ser uma opção fundamental e um horizonte iluminador e crítico, o amor não existe fora das infinitas e pequenas ações que o encarnam na realidade. Poderíamos dizer que o amor não existe em si mesmo, ele não é, mas ‘vai sendo’ na imensa constelação de ações que afirmam e confirmam a vida e a dignidade das pessoas, começando pelas que nos são próximas e chegando àquelas que deslocamos para longe, como os índios, de cujo drama Galdino de Jesus, queimado vivo nas ruas de Brasília no dia 21 de abril de 1997, é um símbolo dramático.

“Muitos judeus e prosélitos praticantes seguiram Paulo e Barnabé.”

Se as palavras explicam e ilustram, o testemunho desperta e atrai. É claro que a mensagem anunciada por Paulo e Barnabé cumpre seu papel, mas é o testemunho de uma vida radicalmente mudada e colocada em risco que atrai judeus, prosélitos e gente vinda do paganismo. A mesma coisa podemos dizer a respeito da vocação e da con-vocação: a oração é importante, a pregação e o incentivo cumprem seu papel, mas o testemunho de uma vida ‘desvivida’ no amor é eloquente e irresistível.

Na sua mensagem para o dia de hoje, Bento XVI reflete sobre a vocação como sinal de esperança fundada na fé. Segundo ele, tudo parte da experiência de um Deus que é fiel ao seu amor pelo mundo. “É este amor, manifestado plenamente em Jesus Cristo, que interpela a nossa existência, pedindo a cada qual uma resposta a propósito do que fazer da sua vida e quanto está disposto a apostar para a realizar plenamente”. Este amor exigente e profundo nos infunde coragem e nos dá esperança no caminho da vida e no futuro, e desperta confiança em nós mesmos, na história e nos outros, lembra o Papa.

Jesus continua passando pelos nossos caminhos hoje e nos vê imersos em nossas atividades, com nossos desejos e necessidades. “É precisamente no nosso dia-a-dia que ele continua a dirigir-nos a sua palavra; chama-nos a realizar a nossa vida com ele, o único capaz de saciar a nossa sede de esperança.” Mas para acolher este convite “é preciso deixar de escolher por si mesmo o próprio caminho. Segui-lo significa entranhar a própria vontade na vontade de Jesus, dar-lhe verdadeiramente precedência, antepô-lo a tudo o que faz parte da nossa vida: família, trabalho, interesses pessoais, nós mesmos.”

“Vi uma multidão imensa que ninguém podia contar…”

Mas considerar como vocação unicamente a vida religiosa e o ministério sacerdotal é um erro teológico e pastoral. Rezando pelas vocações, pedimos a Deus que ajude nossas comunidades a se tornarem ambientes nos quais despertem e amadureçam as diversas vocações – leigas, religiosas e sacerdotais, litúrgicas e políticas –  que ajudam a anunciar, celebrar e construir a utopia do Reino de Deus. Elas compõem uma multidão imensa de gente que, orientando sua vida pelas sendas do Cordeiro, está de pé diante dele, pronta a cumprir a missão que ele lhe confia.

Nesta jornada mundial de oração pelas vocações, que vem sendo realizada há 50 anos, pedimos também que as autoridades eclesiásticas tenham a coragem de abrir novos caminhos e possibilidades ministeriais. Não seria um paradoxo enfatizar a necessidade da vida sacramental e, ao mesmo tempo, fazer os sacramentos dependerem unicamente de homens celibatários, dificultando assim o acesso do povo à graça sacramental? Faz sentido em pleno século XXI e diante de tanta necessidade excluir a metade fiminina da humanidade do acesso ao ministério ordenado?

“Servi ao Senhor com alegria!”

Jesus amado, Cordeiro de Deus e Bom Pastor! Através dos homens e mulheres que vivem a vocação como serviço e compaixão fazes teu amor libertador chegar a todas as gerações. Mediante estas pessoas, a maioria delas anônimas, enxugas as lágrimas do teu povo. Faz com que nossa palavra e nosso testemunho ajude a Boa Notícia do teu Reino chegar a todos os recônditos da terra. Tu nos fizeste, nos chamaste e somos teus/tuas. Possamos então realizar com desvelo e criatividade a missão que nos confiaste, membros diferentes de um único corpo no qual bate um único coração. Assim seja! Amém!

Pe. Itacir Brassiani msf

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s