JAPURÁ – AM – Paróquia Nossa Senhora Aparecida

Prelazia de Tefé – AM – Norte I CNBB

Deus dispersa as pessoas orgulhosos e eleva as humildes!

Deixe um comentário

(Br 5,1-9; Sl 125/126; Fil 1,4-11; Lc 3,1-6)

O Advento não é um simples tempo espera. Ele sugere mudanças. A liturgia do segundo domingo nos convida a olhar para as experiências dos nossos antepassados e celebrá-las como próprias, em vista de uma escuta atenta e responsável: “Que o amor de vocês cresça em perspicácia e sensibilidade… Preparem o caminho!… Endireitem suas estradas!…” Recordando o marcante e promissor evento do êxodo, o dia em que Deus mudou a sorte do seu povo, testemunhamos: “Parecíamos sonhar: a nossa boca encheu-se de riso e a nossa língua de canções.” Mas nossa atenção é requisitada pelo presente e exclamamos: “Que Javé mude a nossa sorte, como as torrentes do Negueb!” A profética convicção de que o lobo e o cordeiro pastarão juntos nos convoca a práticas concretas de mudança, a fim de que as humilhadas sejam elevadas. Um bom começo e uma ótima base é a aceitação dos direitos humanos como deveres em relação às pessoas e a todas as demais criaturas.

“Tira tua roupa de luto e humilhação!”

O profeta Baruc levanta sua voz num tempo difícil. O povo hebreu vivia disperso e inserido numa cultura hostil. A capital era um monte de escombros e o templo estava em ruínas. A nação como tal não existia mais. Era um tempo de luto e lamentação, sem esperanças, como é hoje a situação dos palestinos na Faixa de Gaza. Neste contexto, as palavras do profeta  soavam como um delírio: “Jerusalém, tire a roupa de luto e aflição e vista para sempre o esplendor da glória que vem de Deus. Vista o manto da justiça de Deus e a coroa gloriosa do Eterno…”

Nossa fé não pode ignorar ou enfeitar docemente a dura realidade na qual estamos inseridos: o inaceitável aumento dos famintos, apesar das metas do milênio; a continuidade de muitas guerras fratricidas, especialmente na África e no Oriente Médio; a eterna violência nos morros do Rio e agora na antes tranquila Santa Catarina; as medidas recessivas e socialmente nefasta dos governos europeus e a violência contra os guarani-kaiowá…

“Veste o manto da justiça que vem de Deus!”

Mas este tempo de luto e de aflição é apenas o nosso o ponto de partida. Ele esconde no próprio ventre sementes que pedem para germinar e transformarão os desertos em jardins. A gestação da nova humanidade e nova criação é compromisso firmado pelo próprio Deus e começa com o reconhecimento das nossas responsabilidades pelos males que agridem suas amadas criaturas. A fidelidade amorosa de Deus nos ajuda a reconhecer, sem escrúpulos nem disfarces, nossa colaboração com a feiúra do mundo, por pensamentos, palavras, atos e omissões.

Mas é o próprio Deus e sua Palavra que nos animam, orientam e sustentam. Ele nos chama com novos nomes: Paz da Justiça e Glória da Piedade. Ele nos convoca a escalar os muros e, de cima deles, olhar em todas as direções e contemplar um povo novo que vai sendo reunido com gente que vem de todos os lados. Ele abre nossos olhos para que sejamos capazes de reconhecer o esplendor e a dignidade de cada uma das suas criaturas, começando pelas menos apreciadas. Se todas elas estão vestidas com o manto da justiça de Deus, quem somos nós para despi-las de sua própria dignidade?

Isso significa que está em curso um amplo, profundo e misterioso processo de gestação e mudança, de dispersão dos orgulhosos e libertação dos humilados. O que é preciso é assumi-lo e cuidar dele como a mãe cuida da criatura que carrega no seio, que depende dela mas não é sua propriedade. Importa ajudar Deus na tarefa de rebaixar colinas e aterrar vales, aplainar o chão para facilitar seu crescimento e sua caminhada. Sem esquecer de plantar árvores aromáticas para aumentar seu prazer.

“Preparai o caminho do Senhor!”

Aqui entra a relevância da atividade e das palavras proféticas de João Batista. Ele sabe que é apenas o precursor de Algo melhor e de Alguém maior que ele. Sua missão transcorre num tempo em que coexistem e se articulam os poderosos da Judéia, de Roma e do Templo. Ele rompe com Jerusalém, capital da terra prometida que acabara tornando-se centro de opressão, e se retira para o deserto, lugar da impotência, da resistência, do êxodo e da transformação profunda.

É a radicalidade profética de João Batista que o faz grande, maior que os maiorais do seu tempo. Convicto de que o tempo estava maduro para mudanças profundas e amplas, ele convoca seu povo a arregaçar as mangas: “Preparem o caminho do Senhor, endireitem suas estradas!” A principal medida para preparar o caminho era endireitar as sinuosas curvas construídas pelos doutores da lei. Estas curvas dificultavam ou impediam aos mais pobres e humildes o acesso à salvação, ou seja, ao reconhecimento da sua  humana dignidade e seus direitos mais elementares.

João Batista anuncia que Deus está comprometido neste trabalho e faz a sua parte. Ele aterra os vales, aplaina as colinas, endireita as curvas e tapa os buracos. Em outras palavras: Deus vê a humilhação do seu povo, estende sua misericórdia a todas as gerações, derruba os poderosos e eleva os humildes (cf. Lc 1,48-55). As imagens da colina e do vale são uma clara referência aos grandes ou poderosos e aos pequenos ou humildes. E esta ação revolucionária Deus a vem desenvolvendo desde sempre, e prossegue ainda hoje, apesar do teimoso e comprometedor esquecimento das Igrejas.

“Endireitai as veredas para ele!”

Horizontes amplos e utopias de grande alcance são importantes. É absolutamente necessário perceber que o universo inteiro aspira e conspira para que a vida seja possível e abundante. O saudoso Dom Helder dizia que é preciso sonhar como os pássaros: eles se enamoram das estrelas e voam em direção a elas até caírem mortos. E Eduardo Galeano ensina que, afastando-se de nós na mesma medida em que delas nos aproximamos, as utopias cumprem o papel essencial de manter-nos na caminhada.

Mas as utopias também e sempre nos chamam à conversão, a mudanças profundas e concretas no modo de viver. João pregava “um batismo de conversão para o perdão dos pecados”. Esta conversão começa com mudanças no modo de ver a vida – esta é mais dom e graça que posse e consumo! – mas precisa ser traduzida em práticas concretas e cotidianas nos níveis pessoal, familiar, comunitário e societário. E não se trata de acrescentar coisas e atividades, mas de reduzi-las e focalizá-las.

O que fazer concretamente para que o povo humilhado seja exaltado? Levando em consideração a  Conferência Rio + 20 sobre o clima, mas sem pretensão de ser exaustivo, podemos exercitar um novo estilo de vida: consumo crítico de bens e comércio solidário; redução de necessidades e de consumo; descarte seletivo e utilização de material reciclado; consumo de alimentos orgânicos; consumo responsável de água e luz; uso de meios públicos de transporte; cultivo de relações pessoais não-violentas; acolhida e valorização do outro como diferente; diálogo ecumênico; e assim por diante.

“E todos verão a salvação que vem de Deus.”

E por falar em diálogo e cooperação ecumênica, uma esperança que atravessa sutilmente a história do povo hebreu e ressoa em João Batista é exatamente esta: todos os homens e mulheres, independente de condição social, origem étnica, nível de estudo, cor de pele, convicção política ou pertença religiosa experimentarão a salvação, alcançarão a plena realização na liberdade. A dignidade e a plenitude humanas não são garantidas pela raça, estudo, gênero, riqueza ou religião, mas pelo próprio Deus.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos (10.12. 1948) é a versão civil e moderna desta convicção, fundamental ao cristianismo. E a festa da Imaculada Conceição (08.12) nos é proposta como lembrança de que é Deus que, em sua benevolência infinita e universal, nos torna bons e justos/as, acolhendo e elevando nossa pequenez e mantendo a todo custo nossa abertura ao que virá. No espírito do Advento não há lugar para fundamentalismos ou triunfalismos. Tudo é escuta, resposta e mudança.

“Que o amor de vocês cresça ainda e cada vez mais.”

Deus querido, pai e mãe que amas e elevas os humilhados: ajuda-nos e acolher e viver o espírito do Advento, melhorando nosso viver de modo corajoso e radical. Que nossa fé e nosso amor cresçam e amadureçam em concretude e perspicácia. Que tuas Igrejas e cada um de nós se dedique mais a abrir portas e janelas que em erguer muros; se dedique mais a elevar as pessoas humilhadas que construir torres; se empenhe na abertura de caminhos de encontro que em formular dotrinas que produzem desencontros. E assim estaremos preparando entre nós um lugar para o teu Filho. Assim seja! Amém!

Pe. Itacir Brassiani msf

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s